Assessing Walking Ability Could Help Predict Fracture Risk in Older Adults

Avaliar a Capacidade de Caminhar Pode Ajudar a Prever o Risco de Fraturas em Idosos

Um novo estudo realizado por pesquisadores do Instituto de Pesquisa Médica Garvan e da UNSW Sydney descobriu que ser capaz de caminhar um quilômetro confortavelmente pode ajudar a prever o risco de fraturas em idosos. O estudo, publicado na JAMA Network Open, sugere que simplesmente perguntar aos pacientes sobre suas habilidades de caminhada pode permitir que os profissionais de saúde identifiquem indivíduos que possam precisar de triagem adicional da saúde óssea e intervenções para prevenir fraturas.

A autora principal do estudo, professora Jacqueline Center, explica que ter dificuldades para caminhar mesmo curtas distâncias está intimamente relacionado a um maior risco de fraturas nos próximos cinco anos. Ao fazer algumas perguntas simples sobre as habilidades de caminhada dos pacientes, os médicos podem ter um sinal de alerta precoce para verificar a saúde óssea e fornecer intervenções adequadas.

O estudo revelou que um em cada cinco adultos relatou alguma limitação de caminhada no início do estudo. A pesquisa também demonstrou que indivíduos com mais dificuldade para caminhar tinham significativamente mais chances de sofrer fraturas durante o período de acompanhamento. Por exemplo, mulheres com uma “grande” limitação de caminhada tinham um risco de fratura 60% maior em comparação com mulheres sem limitação, enquanto os homens apresentaram um risco aumentado de mais de 100%.

Os resultados também mostraram que aproximadamente 60% de todas as fraturas no estudo estavam associadas a algum nível de limitação de caminhada. Esses resultados permaneceram consistentes mesmo após considerar outros fatores como idade, quedas, fraturas prévias e peso. O risco de fraturas foi observado em vários locais, incluindo quadris, vértebras, braços e pernas.

De acordo com a professora Center, essa simples avaliação da capacidade de caminhada pode ajudar a identificar mais pessoas em risco e que se beneficiariam de triagem de densidade óssea ou tratamento preventivo. Atualmente, as taxas de triagem para avaliação do risco de fraturas permanecem baixas, portanto, encontrar maneiras fáceis e precisas de detectar aqueles em risco é crucial.

Ao considerar a capacidade de caminhar como um sinal de alerta para possíveis problemas de saúde óssea, os clínicos podem potencialmente melhorar a detecção e intervenção precoces. Os pacientes que têm dificuldade em caminhar um quilômetro confortavelmente são incentivados a discutir suas preocupações com seus médicos e perguntar sobre exames de saúde óssea. A detecção precoce de indivíduos em risco pode levar à redução de fraturas e melhora na força óssea por meio de tratamentos adequados e mudanças no estilo de vida.

Perguntas Frequentes (FAQs) com base no artigo:

1. O que o estudo realizado por pesquisadores do Instituto de Pesquisa Médica Garvan e da UNSW Sydney descobriu?
– O estudo descobriu que ser capaz de caminhar um quilômetro confortavelmente pode ajudar a prever o risco de fraturas em idosos.

2. Como os profissionais de saúde podem identificar pessoas que podem precisar de triagem adicional da saúde óssea e intervenções para prevenir fraturas?
– Os profissionais de saúde podem identificar tais pessoas simplesmente perguntando aos pacientes sobre suas habilidades de caminhada.

3. Qual é a ligação entre dificuldade em caminhar curtas distâncias e o risco de fraturas?
– Ter dificuldades para caminhar mesmo curtas distâncias está intimamente ligado a um maior risco de fraturas nos próximos cinco anos.

4. Como os médicos podem usar a capacidade de caminhada dos pacientes como um sinal de alerta precoce?
– Os médicos podem fazer algumas perguntas simples sobre as habilidades de caminhada dos pacientes para verificar a saúde óssea e fornecer intervenções adequadas.

5. Quantos adultos relataram limitações de caminhada no início do estudo?
– Um em cada cinco adultos relatou limitações de caminhada no início do estudo.

6. Qual era a relação entre dificuldade de caminhar e risco de fraturas?
– Indivíduos com mais dificuldade em caminhar tinham significativamente mais chances de sofrer fraturas durante o período de acompanhamento.

7. Qual foi a porcentagem de fraturas associadas a algum nível de limitação de caminhada no estudo?
– Aproximadamente 60% de todas as fraturas no estudo estavam associadas a algum nível de limitação de caminhada.

8. Quais são os vários locais onde o risco de fraturas foi observado?
– O risco de fraturas foi observado em vários locais, incluindo quadris, vértebras, braços e pernas.

9. Por que a avaliação da capacidade de caminhar é importante?
– Avaliar a capacidade de caminhar pode ajudar a identificar pessoas em risco e que precisam de triagem de densidade óssea ou tratamento preventivo.

10. O que a detecção e intervenção precoces podem levar?
– A detecção e intervenção precoces podem levar à redução de fraturas e melhora na força óssea por meio de tratamentos adequados e mudanças no estilo de vida.

Definições-chave:
– Fratura: Uma quebra em um osso ou cartilagem.
– Intervenção: Uma ação ou processo realizado para prevenir danos ou melhorar uma situação.
– Triagem de densidade óssea: Um teste que mede a densidade dos ossos para avaliar sua força e risco de fraturas.

Links Relacionados Sugeridos:
1. Instituto de Pesquisa Médica Garvan
2. UNSW Sydney
3. JAMA Network Open

All Rights Reserved 2021
| .
Privacy policy
Contact